sexta-feira, 21 de maio de 2010

Daian Schmitt (2008) Daian Schmitt


Recebi um e-mail do Daian Schmitt pedindo para divulgar o seu disco, gravado de forma independente em 2008. Como o som do Daian se insere no ideário do blog, não vi problema nenhum em postá-lo. Ei-lo, então, seguido da biografia do músico, extraída da sua página no MySpace.














Daian Schmitt (2008) Daian Schmitt


Faixas:
1. Quando Chega A Noite (3:22)
2. Palhaço Triste e Ladrão (3:02)
3. Água E Sal (2:55)
4. Eu Não Tomo Mais Neston (3:23)
5. Fome De Quem Come (4:00)
6. Minha Mãe Falava E Eu Não Ouvia (3:26)
7. Antes Que O Brilho Se Vá (3:48)
8. A Morte Do Poeta (3:18)
9. Caminhão De Flores (4:41)
10. A Cor Vermelha Da Maçã (2:53)
11. Sobre O Meu Calcanhar (5:35)
12. Vendados (4:09)

13. Visões De Um Bobo Da Corte (2:36)
(Todas as músicas foram compostas por Daian Schmitt)
Músicos (Os Comparsas Do Rock):
Daian Schmitt: Vocal e Guitarra
Léo Maier: Guitarra
Darlan Dias: Bateria
Bigo: Baixo








Daian Schmitt nasceu na cidade de Rio do Sul, no Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Em 1994 foi morar em Joaçaba, no meio-oeste catarinense, onde teve suas primeiras aulas de violão. Em 1999 mudou-se para Blumenau, para concluir a faculdade de Publicidade e Propaganda. Em Blumenau começou a compor suas primeiras músicas. “Eu já arriscava alguns versos antes, mas nada muito consistente”, comenta. Em Blumenau montou sua primeira banda, Os Tutanos. Já com a sua primeira banda, Daian Schmitt priorizava o trabalho autoral, tendo 90% do repertório de músicas próprias. Com Os Tutanos, nome inspirado num disco de Walter Franco, a banda participou de vários eventos realizados em Blumenau, Gaspar, Lapa-PR, Indaial, e de festivais como River Rock e Psicodália. Nessa mesma época ajudou na fundação e participou ativamente do MPBLU – Movimento da Musica e Poesia Blu (2002 e 2005). O movimento tinha como base articular bandas e artistas marginais de Blumenau, onde a proposta era a consolidação do trabalho autoral das bandas. Esse movimento gera frutos até hoje, onde bandas que pertenciam ao movimento já lançaram os seus CD's e estão produzindo outros. O MPBLU foi o único movimento artístico musical de Blumenau, e hoje está sendo estudado por historiadores como Viegas Fernandes da Costa, que fez um ensaio no livro Blumenau em Cadernos. A banda Os Tutanos não chegou a deixar registros oficias. “Esse foi um dos motivos que gerou o fim da banda, eu queria gravar as músicas que estávamos compondo, mas alguns integrantes da banda achavam que era muito prematuro”. Com o fim da banda em 2006, Daian Schmitt decidiu seguir carreira como artista solo, tendo em vista que todo o material era composto por ele. Continuou compondo e foi em busca de músicos pra gravar o seu primeiro disco, que viria a se chamar Daian Schmitt. Juntou-se com o baterista Darlan Dias, o baixista Johnny Werner e começaram a ensaiar a cozinha da banda no quarto do baixista. Já estavam também confirmados para as gravações os guitarristas Léo Maier e Rafael Scharf, o violinista Jairo Adriano e nos teclados Rafael Martorano, da banda The Zordem. Na viola, Jonathan Estevam, e, no baixo, Anderson Cassiano, que tocava guitarra com Os Tutanos. O disco foi lançado em março de 2008. Daian Schmitt e sua banda, Os Comparsas do Rock, formada por Léo Maier na guitarra, Darlan Dias na bateria e Bigo no baixo, seguem tocando no circuito underground.

2 comentários:

Sasquepola disse...

Como diria um amigo meu, "rockão tipo véio mai bão", rock simples e bem executado, daquele que é fácil gostar. Uma pena que por aqui é mais fácil 'rebolation' fazer sucesso, senão a vida do Daian provavelmente seria mais fácil. Sem querer comparar, mas sem me esforçar para não fazê-lo, o som em alguns momentos me lembra Tianastácia no começo da carreira.

dugabowski disse...

É uma pena, Sasquepola, que outros músicos brasileiros não façam o que o Daian fez; mandar os seus discos para os blogs de compartilhamento, para serem divulgados. Até nisso o brasileiro é atrasado. Pô, os caras preferem vender 1 ou 2 cedezinhos por mês ao invés de permitirem o download de graça e se tonarem conhecidos e faturarem nos shows. Se isso não é burrice, não sei mais o que é. E, especificamente quanto ao Daian, também achei o som do cara bacana; é claro que tem que melhorar alguma coisa, mas o potencial tá bom. Um abraço.