segunda-feira, 19 de julho de 2010

Tailbone Smitty (2005) Bone Appetit


Para os aficcionados do southern, uma BBO (boa banda obscura), que ficou no primeiro disco. Mas, ouvindo-a, penso que poderia ter ido além; cacife, acho que teria; mas julguem vocês, escutando o som da Tailbone Smitty. E bom apetite, digo, boa audição (ô, psit! caiu uma palheta aqui: será que a figura ali, terceiro da esquerda para a direita, não é parente do Ser? olha que tem alguma parecença...).














Tailbone Smitty (2005) Bone Appetit


Músicas:
1. Little Disaster (3:37)

2. Dancin' (3:47)
3. Water (4:18)
4. Highway (2:59)
5. Live To Ride, Ride To Live (3:45)
6. Chi'ka (2:44)
7. Mona Lisa's Eyes (3:26)
8. Thunder (3:44)
9. Sycamore (4:30)
10. Black September (5:29)
Músicos:
Jimmy Stockstill: Guitar, Vocals
John Wolverton: Guitar, Vocals
Johnny Davis: Bass
Jeff Watson: Drums








O texto de apresentação da banda, que segue abaixo, em tradução livre do inglês, foi extraído do site Tradebit.
O guitar rock renasce no sul de Mississippi com o Tailbone Smitty, sob a forma de NOS Rock! Esse grupo de quatro músicos, com profundas raízes no sul da Louisiana e do Mississippi, especializou-se nesse original gênero de música, que foi rotulado de “New Old School Rock” ou, abreviadamente, “NOS Rock”. Esse novo gênero musical é reminiscente daquele estilo clássico de rock and roll que todo mundo conhece, ama e que se ressente do acréscimo de um talento novo. Seu álbum de estréia, “Bone Appetit” (agosto 2005), serve um burrito southern digital frito, feito especialmente para aquecer a alma e alimentar o cérebro de todos os que pensam que o genuíno rock and roll está morto e sepultado. Os principais integrantes da banda, os guitarristas, compositores e cantores Jimmy Stockstill e John Wolverton – ambos frutos do melhor rock arena setentista, que abrange Boston, Journey, BTO e aquela banda meio velhote do Texas, os amistosos barbudos conhecidos como ZZ Top – têm habilidade para cantar músicas com – surpresa! surpresa! surpresa! – grandes melodias, grandes fraseados e grandes trabalhos de guitarra. O paredão sonoro é arredondado pela seção rítmica da banda, os “Gurus do Groove”: o baixista Johnny Davis e o baterista Jeff “Doc” Watson.

13 comentários:

Ser da Noite disse...

Fala, Duga,

Este aí é meu parente do lado careta da família. A única coisa de boa nele é ser músico. Mas repara no estilo. Imperdoável.
[ ]s

dugabowski disse...

Realmente, aqueles gesto de mão, à la Ronaldinho Gaúcho... Pelas tuas palavras, devo deduzir que o cara pertence ao ramo vegetariano da família, cuja saga tem sido contada pela famosa historiadora Stephenie Meyer? É, faz sentido. Um abraço.

Aponcho disse...

Anda a ver si la Harley esta afuera...

dugabowski disse...

Tens razão, Aponcho. Se estiver, aí não tem desculpa; é do mesmo ramo... carnívoro. Um abraço

Ser da Noite disse...

Que nada. O cara anda numa Kasinski Mirage cento e cinquentinha bordeaux (ver aqui: http://www.kasinski.com.br/produtos-mirage-150.php). Derrota total.
[ ]s

dugabowski disse...

Não sei não. Achei a foto do cara (é o baterista, Jeff Watson) desfilando numa Harley... hum, muito esquisito. Até uploadei a foto (http://www.multiupload.com/FQSHXPRA06). O cara é o vigésimo da segunda fila.

Celso Loos disse...

Duga e Ser

Vou deixar esse comparativo de motos pra lá (afinal minha Gareli vermelha dá de 1000) só com voces e pedir permissão para anunciar o futuro post que Dagon fará no Hard&Heavy

http://tinyurl.com/3afx37s


Só espero que ZéNato não tente me convencer deste também kkkkkkkkkk

Abraços a (quase) todos

dugabowski disse...

Alvíssaras, Celso. A notícia é mesmo bombástica. Já temos o sertanejo universitário, a tchê music, o samba rock, agora o heavy metalaxé... (o cara inclusive vai trocar o nome: ao invés de Caldas, vai ser Caudas... dos Diabos; legal: Caudas dos Diabos; tira o Luiz fora, que não combina muito com metal). O que virá depois? Folkfrevo? Bossapunk? Funkfavela Invasion? Psycopagode, com Zega Psycopagodinho e Os Psyicodélicos Sambásticos? Volta, JC, pelo amor do teu pai; acaba com o suplício... Mais um pouco e as coronárias vão dançar... do jeito que as coisas vão, não vai ter jeito... E não demora muito, vai ter clipe do novo metalaxéiro no TVZ. Ai, ai, ai... Só dói quando eu penso...

Ser da Noite disse...

Engano seu meu amigo Duga. O cara indicado na foto, de capacete preto e pilotando uma Fat Boy customizada é outro primo nosso, do lado irado da família.

Celso,
Já estou organizando um bate-volta com meus irmãos motociclistas (inclusive o John Watson, primo do Jeff), para assistirmos a este show. Imperdível.
O Luiz Caldas tem o Heavy no sangue. É só repassarmos sua qualificadissima carreira.

[ ]s

Edson d'Aquino disse...

Cantor de axé virando metaleiro (e vice-versa) não é novidade pra mim. Em meados dos 80 fui convocado por um empresário carioca que havia me visto tocar no Circo Voador para ser o guitarrista de um baiano que se tornaria a maior sensação (sic!) do heavy brasileiro e lá fui eu amarradão pro primeiro ensaio e até que o cara não fazia feio mas dava pra perceber que aquela não era a onda dele e o projeto não decolou, até porque o visual do cara era puro estereótipo. Seu nome? Cid Guerreiro.
Acredite...se quiser. Putz, minha vida como músico dava um livro, hehehe
[]ões

Fred Benning disse...

Valeu, maneiro esse som!

Abraço Duga

dugabowski disse...

Então escreve, Edson. Talento para usar a pena tu tens. Só falta a vontade. Um abraço. Em tempo: tava vendo um pouco da história do Cid na rede, eu que não conhecia o cara. Agora ele se converteu; vai fazer o heavy metal do Senhor... Pelo amor de deus! Caudas dos Diabos e Cid Guerreiro de Jesus! A briga promete...

dugabowski disse...

Valeu, Fred. Um abraço.