quarta-feira, 7 de julho de 2010

QUARTALIVE ESPECIAL

"HOMENAGEM A RAY GILLEN"




"Ray Gillen (12 de Maio de 1958 - 1 de Dezembro de 1993) foi um cantor conhecido pelo seu trabalho com as bandas Black Sabbath e Badlands.
Após passar por diversas bandas durante sua fase na escola, ele finalmente atingiu a sorte grande quando entrou na banda solo do ex-baterista do Rainbow Bobby Rondinelli.
O ano era 1985, e enquanto gravava um álbum de estréia com essa banda, Ray Gillen recebeu dois convites inusitados: para ser o vocalista principal do famoso musical Cats e para ser o vocalista da banda inglesa Black Sabbath. Ele então saiu da banda Rondinelli e recusando o convite do musical, entrou no Black Sabbath tornou-se o sucessor do Glenn Hughes no Black Sabbath, que após uma briga durante a turnê sofreu uma lesão na cavidade nasal que inundava de sangue suas cordas vocais. Após a turnê do disco Seventh Star, a banda entrou em estúdio para gravar o disco Eternal Idol. Por diversos problemas, principalmente financeiros, a banda perdeu o baterista Eric Singer e o baixista Dave Spitz. Ray Gillen então saiu da banda, com o disco praticamente pronto, para ir se juntar a John Sykes no Blue Murder. Tony Martin foi chamado para substituir Ray Gillen e regravar o disco no Black Sabbath. Após poucos meses no Blue Murder, Ray Gillen foi mandado embora e gravou uma participação no Dream Runner, segundo álbum do projeto Phenomena, criado pelos irmãos Tom Galley e Mel Galley (que nesse momento gravava o álbum Slide It In do Whitesnake), cantando ao lado de Glenn Hughes e John Wetton. O álbum, lançado em 1987, foi o primeiro registro oficial do Ray Gillen no mundo da música. No ano seguinte, junto do ex-companheiro Eric Singer, do Jake E. Lee (ex-guitarrista do Ozzy Osbourne) e do desconhecido baixista Greg Chaisson, fundou o Badlands. O primeiro disco, auto-intitulado, foi um sucesso nos Estados Unidos e Europa.
Seu sucessor, Voodoo Highway, vendeu mal devido à onda grunge. Já debilitado pela Aids, Ray entrou em estúdio para gravar o terceiro disco da banda, que não foi aprovado pela gravadora. Ray Gillen faleceu em Nova Iorque em 1993, no dia 1 de dezembro, dois dias antes do aniversário de Ozzy Osbourne, o homem que ele substituiu no Black Sabbath. Glenn Hughes, depois tornou-se um grande amigo do Ray, organizou um tributo para ele em 1994. O terceiro disco do Badlands, chamado Dusk, foi um lançamento póstumo, organizado pelo amigo e ex-companheiro de banda Greg Chaisson."
(Wikipedia)

Os discos aqui postados são: Uma visão geral de sua passagem pelo Black Sabbath num show gravado em San Antonio, Texas, em abril de 1986, e uma reunião do Trapeze em New York em 02/09/1994 num concerto organizado por Glenn Hughes em sua homenagem. Dois raros momentos "live" do Hard Rock mundial nos quais estamos prestando tributo a este conceituado cantor.



Black Sabbath (1986) The Ray Gillen Years
[Hard Rock]




01.Danger Zone
02.War Pigs
03.Heart Like A Wheel
04.Sweet Leaf
05.Black Sabbath
06.Neon Knights
07.Eternal Idol
08.Born To Lose
09.Lost Forever
10.Nightmare
11.Hard Life To Love
12.Glory Ride
13.Ancient Warrior
14.The Shining

Tony Iommi (guitar)
Ray Gillen (vocals)
Geoff Nicholls (keyboards)
Dave "The Beast" Spitz (bass)
Eric Singer (drums)



[MU] [102MB]


Trapeze (1994) The Ray Gillen Tribute
[Hard Rock]




01. Intro
02. Coast To Coast
03. You Are The Music… We Are Just The Band
04. Your Love Is Alright

Dave Holland (drums)
Mel Galley (guitars)
Glenn Hughes (bass, vocals)
Craig Erickson (guitars)



[MU] [27MB]

6 comentários:

Edson d'Aquino disse...

Um gogó fantástico, ZéNato. Os 3 trabalhos com a Badlands são muito bons e até o Jake E. Lee arrebenta.
[]ões

José Renato disse...

Concordo. Infelizmente teve pouco tempo para traçar seus rumos e mostrar o seu talento. Outro que nasceu em época errada...
Grande Abraço

Lu Gaspar disse...

Oi José Renato, apesar da fisionomia do bonitão não me ser estranha, não me lembro do vocal do Ray Giller. Vou levar o ao vivo com ele no Sabbath e também o do Badlands.

Valeu!

Um abraço,
Lu

Sasquepola disse...

Esse é um daqueles que podia ter se demorado mais por aqui. Foi muito bem no Badlands mas trinta e cinco é muito pouco para mostrar todo o seu potencial...

Vou ouvir esse do Trapeze pra ver qual é que é o som que sai (certamente é bom!).

Abraços.

José Renato disse...

Fala Lu:
Obrigado pela visita, volte sempre ouviu?
Certamente você vai gostar da voz do cara, porém o segundo "boot" postado é do Trapeze, grupo do Glenn Hughes, e não do Badlands.
Se você quizer conhecer o som do Badlands acesse o link: http://serdanoite.blogspot.com/search/label/Badlands.
Lá eu postei um discão deles...
Beijão e inté mais

José Renato disse...

Fala Sasquepola:
Verdade! Ele tinha ainda muito potencial a desenvolver como cantor. Acho que nós apenas tivemos uma idéia do que ele poderia ter sido...
Quanto ao Trapeze, bem, acho que vou deixar você me dizer depois de ouvir, hehehehehe...
Grande Abraço